martedì 28 ottobre 2008

Premio Nobel – Il Nome fa il Nobel




Ancora questa volta, l'Italia non becca nemmeno un igNobel 2012?

Possibile che in tanti anni di pubblicazioni scientifiche nessuno scienziato italiano si sia mai occupato dei salmoni zombie… o, che ne so… le proprietà fisiche, statistiche e motorie dei capelli raccolti a coda di cavallo? Nemmeno un progetto di ricerca al movimento che il caffè compie dentro una tazza quando si cammina o delle gravi conseguenze del… come dire… colon del paziente esploda, letteralmente? Una cosa inammissibile!!!!!!

Ha meritato IgNobel per la Medicina, i francesi Emmanuel Ben-Soussan e Michel Antonietti con il seguente abstract: "Le esplosioni di gas nel colon, per quanto rare, sono una delle complicazioni iatrogene più spaventose legate alla colonscopia con elettrocauterizzazione. Questa complicazione è il risultato di un accumulo di gas nel colon fino a concentrazioni esplosive”.

Tranquilli. E’ stato peggiore nel 2008



Sono passati più di 100 anni da quando Alfred Bernhard Nobel, inventore della dinamite, ha idealizzato il premio e, ancora oggi, non si capisce quali criteri sono usati per l’attribuzione del’ambito premio.
Il riconoscimento del Nobel per la medicina 2008 a un francese e per la fisica a due giapponesi e un americano ha sollevato dubbi e perplessità ai tanti cervelloni di mezzo mondo.
“Gli scienziati italiani sono in rivolta perché Il premio per la Fisica dovrebbe andare al prof. Nicola Cabibbo, il vero padre della scoperta, che, in modo autonomo e pionieristico, ha compreso il meccanismo del fenomeno del mescolamento dei quark, poi, facilmente generalizzato dai due fisici premiati”. Afferma Roberto Petronzio, Presidente dell'Istituto Nazionale di Fisica Nucleare (Infn).
Eppure, il premio Nobel per la fisica 2008 è andato a: Yoichiro Nambu, a Makoto Kobayashi e a Toshihide Maskawa
Và bene, cioè, male, dimentichiamo tutti questi shihide-chiro-yashi-nambu-koto-kava e ragioniamo un po’… non sarebbe proprio il NOME, il criterio precipuo per meritarselo un Nobel? Secondo me sì. Dipende molto del nome del tizio.
Il NOME, con quello suono meritevole che accompagna la frase: Il Nobel per lavà a…, “è un forte indicatore per la consegna, impossibile non accorgersi dell’importanza del suo contributo” – ribadiva cocciuto Carlo Bernardino, fisico nucleare alla Sapienza di Roma, per la mancanza del Nobel per la Fisica a Nicola Cabibbo.

Per via dei dubbi, immaginiamo che effetto può fare udire la pronuncia di alcuni di quei nomi dei candidati italiani, dati come favoriti, dopo la fatidica frase che decreta il premio: Bruno Rossi – raggi cosmici, Bruno Pontecorvo – conversione di un neutrino in altri tipi di neutrini; Conversi Pantini Piccioni (no, non chiedo ai Piccioni di aprire una conversazione con i Pantini ma se tratta del gruppo che distinse il mesone di Yukawa dal mesone mu, proprio così. Oramai, capiamo tutte queste “parolacce da Nobel”.
Continuando, Beppo Occhialini (giudicati voi si questo è nome da Nobel) – confermò l’esistenza del positrone. Nessuno di questi nomi ha vinto il Nobel” come disse Enrico Fermo a Panorama – “ma… (c’è, dunque, un ma) tutti resero possibile la nascita della fisica delle particelle elementari”.
Già, di nuovo questa storia delle particelle, si può capire, dunque, l’altro motivo per cui i nostri cervelloni non hanno ottenuto il premio. Sapete la storia delle particelle che ha fatto arrabbiare Berlusconi, vero? Per chi ancora non conosce sarebbe meglio aggiornarsi qui.
Bene, fatto sta che il riconoscimento per la Fisica è stato assegnato a shihide-chiro-yashi- nambu-koto-kava per le loro ricerche sulla fisica delle particelle. Ok, siamo d’accordo, ma…a parte la polemica dei criteri, ancora non si capisce nemmeno sulla particella Berlusconi, chi lo ha ri-cercato? Sicuramente, un Nobel se lo meritava, secondo me.

Nambu, in particolare, per la scoperta del meccanismo di rottura spontanea della simmetria nella fisica subatomicaBerlusconi, invece, per la scoperta del meccanismo della rottura spontanea di… lasciamo perdere. Nambu è, inoltre, considerato uno dei padri della teoria delle stringhe, Berlusconi è, inoltre, considerato uno dei padri della teoria delle stringhe (al collo degli italiani). Cos’è, allora, questa ingiustizia con i NOMI delle menti potenti italiane!
Indubbio che ci siano persone di valore tra i nobel, ma spesso il premio riflette qualcosa che va oltre la rilevanza del lavoro svolto – afferma Bruno Coppi (un altro Bruno, tanto per cambiare) professore di fisica dei plasmi al Mit di Boston sulla decisione influiscono molti altri fattori Conclude. Ci credo! Con tanti di uomini (perché le donne sono troppo belle per il Nobel) che fanno una catena di “BRUNO” come si può distinguere who is who? Possibile che tra i nostri geni non ci siano biondi, neri o rossi (purché non sia Bruno e Rossi allo stesso tempo)?

Se avete ancora dei dubbi, attenti al suono di questi nomi, e mi crederesti: Il Nobel 2008 per la Medicina a Montagnier insieme con (infine una donna) Françoise Barré-Sinoussi (non dimenticare di fare il beccuccio nel pronunciare, mi raccomando!) per la scoperta del virus HIV, al posto del favorito Robert Gallo che glielo aveva contestato. (Chi sa come è arrabbiata la signora Gallina!).
Purtroppo, il Nome fa il Nobel! Sì signori!

mercoledì 22 ottobre 2008

Pra fazer carreira, você tem que ser Bonito mesmo!


2025 – De homo-sapiens a homo-technologicus
O Homo-technologicus é um hibrido de homem e maquina, que não é um homem + tecnologia, nem se trata de um homem com um computador implantado na cabeça, mas sim, uma unidade evolutiva, completamente nova, composta de matéria orgânica, corpórea, com ente mental, psicológico, social e cultural, sem precedentes, pelo menos nesse planeta.
Entre a tecnologia e seres humanos, começa a instaurar-se uma simbiose pela qual uma influencia o outro: a tecnologia que modifica o indivíduo (e consequentemente o seu estado físico e mental) e o indivíduo que, por sua vez, modifica a tecnologia. As modificações do estado físico e mental, induzidas pela técnica informática (hoje) e pela bio-engenharia (amanhã), provocam uma modificação da espécie que se adequa ao ambiente modificado e, essa nova espécie, por sua vez, induz ulteriores modificações ao ambiente.
Geralmente, se trata de um processo longo mas agora não é mais assim. As novidades tecnológicas se alternam a um rítmo vertiginoso. A reação entre os seres humanos, a cultura e a sociedade é, às vezes, muito lenta e se torna sempre mais difícil controlar e acompanhar as mudanças.
Esses temas, não são muito simples para um pobre sapiens mortal, como: o desenvolvimento tecnológico, a distância, sempre mais profunda, entre ciência e técnica, o proliferar incontrolado da informação etc. Mas, por outro lado, são argumentos importantes sobre os quais precisa-se refletir, se quisermos entender como será o futuro.
O futurólogo Vito Di Bari, no seu livro O futuro que existe já (mas ainda não sabemos) nos introduz, de forma fascinante, nesse ainda misterioso universo futurístico, procurando inserir a tecnologia na mais ampla prospectiva da cultura humana e da epistemologia – a filosofia da ciência.
No ano 2025, a cirurgia estética será um fenômeno de massa e serão menos de 50%, as pessoas nascidas nesse século, que conseguirão conservar o próprio corpo totalmente isento de interventos de cirurgia estética, do nascimento até a morte. Essa é uma das 70 previsões de Vito Di Bari sobre o futuro, que transformarão o nosso modo de fazer as coisas, de nos relacionar com os outros e de trabalhar.
Nos dias de hoje, medimos o nosso aspecto, confrontando-nos com um estereótipo baseado sobre ideais irrealísticos. A imagem que temos de nós mesmos, quase sempre não é fruto de uma visão pessoal, mas sim, de uma “colagem” de imagem que se conforma com padrões exteriores de beleza e, para muitos de nós, foram preciso anos e muita terapia, para conseguirmos nos afastar do nosso falso “eu”.
A mídia projeta nos spots publicitàrios e revistas, o mito de uma magreza extrema, impondo um físico efebo, desafinando totalmente com a boca a “pneu” e peitos balões. Esse mito, por sinal ridículo, se enraiza na mente dos mais jovens (e não só) fazendo com que a dieta seja uma obsessão, e a malhação, ou simplesmente a prática de um esporte, um comportamente patológico.
E, como se não bastasse, a influência de capas de revista e o ressalto que a mídia dá às dietas gritantes made in USA, fazem do body design ( uma nuova cultura do corpo modificado), um verdadeiro fator socializante.
Eis então, o passe-partout para o sucesso na vida: ser bonito a qualquer preço. Mais você se pareça com uma Angelina Jolie ou um Brad Pitt, mais sucesso na carreira você terá.
Mas, não se preocupem. Segundo Di Bari, “daqui ao ano 2020, a cirurgia estética será percebida como um bom investimento para se haver maior sucesso nas relações humanas e na carreira profissional”. Afirma no seu livro.
Hoje, quem é mais bonito ganha 5% a mais, com relação à media. Aì, você que é feinho(a) pode me perguntar, roxo de raiva: “Então, você quer dizer que quem é feio ganha 5% a menos do que quem é bonito?” Nequinhas pitibiribas, querido(a). Se você é um pato feio, pode apostar que você está ganhando, hoje, não 5, mas 9% a menos que os príncipes azuis. Isso mesmo. É cientifico e tudo. A confirmação vem de uma pesquisa feita pelos economistas americanos Kristie Engemann e Michael Owyan da Federal Reserve.
Recente pesquisa da Academy of Facial Plastic and Reconstructivr Surgery, indica que 80% dos americanos, considera o aspecto físico um fator determinante para fazer carreira e pensa que, para remediar essa “temível” falha no próprio curriculum, basta somente um bisturí. A Ela (Employment Law Alliance) declara, de fato, que, de cada 6 trabalhadores americanos 1 já fez denúncia, por haver sofrido descriminação por causa do aspecto físico não conforme com os padrões exigidos, tais como: quilo a mais, acne, baixa estatura.
Graças a Deus que, no ano 2025, todos poderão dormir sono tranquilo. Chegarão as novas disciplinas científicas para plasmar cada corpo humano do planeta: a biomechatronic – ciência que utiliza diferentes disciplinas como: biologia, robótica, microeletrônica e informática, para bio-hibridizar a espécie humana. Graças à engenharia genética, se poderá comandar o crescimento muscular, por exemplo, através do gen “Igf1” e construir corpos esculturais, sen nenhum esforço. E, o que é melhor, sem bisturís.
Logo, calma pessoal, aguentem firme até lá, pois todos que alí chegarmos, podereremos tranquilamente nos transformar em um JoliePitt. É só querer e BASTA! E, além de bonitos, technologicus. É mole ou quer mais?
Acabaram-se aqueles pateticos concursos de beleza como Miss Brazil, nada de boazudas, morena, loura ou mulata que sejam, se acotovelando pra serem a melhorzinha do Miss Planeta Terra!
Até que enfim...! Chegaremos mesmo a uma verdadeira e própria PARIDADE!
Fonte: Homo Technologicus di Giuseppe Longo
Il Futuro che c’é gia – Vito Di Bari

giovedì 16 ottobre 2008

A Vingança da batata


Ano Internacional da Batata!


A batata chegou na Europa no século XVI, provocando medo e desconfiança entre os comilões. O que ninguém poderia imaginar é que, aquela bolota redonda com forma irregular, seria transformada, no século XXI, no símbolo tão amado quanto odiado da globalização.
Quando aqui chegou, a batata foi acusada de ser venenosa, fruto de terra demoníaca, portadora de lepra, boa somente para os animais.
Hoje, a batata conseguiu se redimir completamente. Obteve da FAO, a agência da ONU para a agricultura, a declaração de 2008 Ano Internacional da batata. Isso mesmo! A idéia veio do Perú - não que o coitado do perú tenha resolvido se alimentar das pobres batatas, isso não. Digo o Perú país, ok? - que de batata entende mesmo, pois produz dezenas de variedades. A idéia do Perú, tem como objetivo fazer com que se conheça todas as virtudes da senhora batata e o papel dela ( é, sim, porque a batata tem até um papel para representar) em aliviar os dissabores da pobreza, enriquecendo a alimentação e promovendo o desenvolvimento econômico. (Passou de desgraçada a Star, cheia de... papel e tudo).
Sendo assim, hoje, 50% das batatas cultivadas no mundo, terminam nos palcos de Hollywood? Que nada! Termiinam nas panelas da população: frita, pelada, cozida ou em forma de purê. Pobre diaba! Mas não estaria melhor quando estava pior? Bem feito! Quem quer aparecer demais, termina em uma panela em ebulição, posso garantir.
Bem, o certo è que, com os 77g de água e 87 kcal, a batata pensou que era Kim Basinger e começou a se despir. Decidiu expôr-se completamente, mostrando-nos suas partes mais íntimas, nos fazendo conhecer todo o seu sex appeal: 13 mg de vitamina C; 1,78 de proteína; 0,02 mg de riboflavina (Vit.B); 20,13 g de carboidrato; 1,8 g de fibras; 5 mg de cálcio; 0,01 g de gordura; 0,106 mg de tiamina; 1,44 mg de niacina; 0,31 mg de ferro; 44 mg de fósforo; 379 mg de potássio. Como se não bastasse, sendo rica de amido, cascas e cia podem produzir etanol pra ser usado como carburante. (Se Lula sabe disso… pobre das batatas!)
São as indústrias quem mais precisam do seu amido. Na indústria farmacêutica, tessil, de madeira e de papel, o amido é usado como adesivo e na petrolífera, para lavar os poços… Já existem até alguns grupos de pesquisadores – imaginem - que querem fazer da batata, um veículo contra a hepatite B… e por aí vai!
A esse ponto, a batata começa a se achar. Cansada de, no passado, quase nunca ter sido levada em consideração, desembarcou no novo século pra mostrar o que é que a batata tem...
Ela jà entendeu muito bem que a “batata excita” como em uma publicidade feita pra ela. Porque a batata agora è uma Star, sim senhor, e como tal, as grandes casas publicitárias fazem batalha para havê-la como protagonista de seus spots. É o caso do spot Amiga Chips idealizado pela agência Leo Burnett, com a direção criativa-executiva de Enrico Dorizza. O testimonial Rocco Siffredi, joga de forma humorística com sua “particular notoriedade”, movendo-se em volta à piscina de uma luxuosa mansão, circundado de lindas garotas em bikini e elogia aquela que declara de ser a sua batatinha preferida (deixe de maldade!), ou seja, a Amiga Chips. O spot se conclue com o provocatório claim: Quem aqui gosta de batatinha?
E pensar que até pouco tempo atrás, as batatinhas eram um produto direcionado principalmente às crianças… mas, hoje em dia, se pensa somente em sensacionalizar, usar frases de efeito, com duplo sentido, a fim de que falem dela… da batata, naturalmente! Qual o ser vivo que não se enche de vaidade, com isso?
Pra se manter em forma (já que se tornou uma star), a batata possue vários personal trainers à disposição: Os biotecnologistas. Pra eles, a batata é um objeto de estudo cotidiano.
Pode confirmar Luigi Frusciante, professor de genética agrária, na Universidade Federico II de Napolis, e expert no melhoramento genético da batata: Conhecemos muitos processos bioquímicos, fundamentais para a expressão de caracteres ligados ao metabolismo, à reprodução, à fisiologia e à adaptação da batata (… ) Isso nos dá a possibilidade de modificar os gens, potencializre sua resistência à seca, ao frio e ao calor e melhorar os parâmetros qualitativos do tubérculo – forma e calibre, sensibilidade à temperatura e assim por diante. Afirma Frusciante.
No mais, a batata pelada, cortada, cozida, secada, pré-frita, congelada e ensacada, mesmo com um passado desprezante, não obstante sua extraordinariamente riqueza, pode dormir sono tranquilo porque, com um ano internacional para a batata, não dá outra senão um futuro extra-brilhante!

mercoledì 8 ottobre 2008

La bellezza è soggettiva



Gli alieni guardano la nostra Tv

Quale sistema di legittimazione si usa per valutare un’opera d’arte o definire che Brad Pitt è bello e Berlusconi, mica tanto?
Beh, dipende di cosa si intenderebbe per bellezza artistica o fisica che sia.

Secondo Jean Clair – critico francese e storico dell’arte - nel mondo dell’arte contemporanea, per creare un valore, c’è bisogno soltanto di una santa trinità: il critico che offre il suo punto de vista, il collezionista pronto a comprare e il direttore di museo che mette il timbro ufficiale. Se ci sono questi tre, è possibile far ingoiare qualunque cosa. Parole di un intenditore.

Ma, prendiamo un attimo un quadro di Damien Hirst e regaliamo a un’intelligenza extraterrestre. Sarà che facciamo cosa gradita? Magari a loro potrebbe anche gradire il nostro gusto per la bellezza e apprezzare il regalo. Cos’altro potrebbe dire di noi, della nostra arte? Non è detto che troverebbe bello, o profonde le nostre espressioni artistiche. Dopotutto, abbiamo, pure noi, qualche problema a definire il valore estetico di un’opera d’arte. (Figuriamoci misurare la bellezza di Berlusconi!)

E a noi, cosa direbbe, invece, l’arte degli alieni? Dato che gli alieni avrebbero sensi diversi dai nostri, è molto difficile immaginare come sarebbero la loro arte e la loro forma d’intrattenimento. Diciamo che, a queste creature, il senso più importante sia l’olfatto e che la loro vista sia limitata o del tutto nulla. Cosa potrebbe essere trovata nella loro casa? Al posto del quadro di Barney Cattelan, potrebbero essere collocati legni aromatici, invece di un divano Chateau d’Ax troveremmo dei puff che esalano differenti odori floreali nel sedersi.
Gli equivalenti di Picasso e Rembrandt non dipingerebbero ma preparerebbero squisite composizioni di profumi.
Il corrispettivo alieno di “Playboy” sarebbe visivamente insignificanti ma pieno zeppo di aromi erotici e ai correlativi alieni calciatori, per conquistare le veline (o essere conquistato), non servirebbero i muscoli ben scolpiti, basterebbe un buon naso.

L’arte culinaria potrebbe essere come le nostre arti visive o auditive: mangiare un piatto particolarmente raffinato sarebbe come ascoltare la Quinta Sinfonia di Beethoven.
Peccato che non possiamo ancora provare se loro esistono davvero! Nel caso esistessero extraterrestri tecnologicamente avanzati, solo da poco si sarebbero accorti di noi, in seguito allo sviluppo della radio e Tv, già alla fine del XX secolo.

Da Uomini e Donne al Grande Fratello, i più mediocri video programmi delle nostre televisioni, stanno viaggiando verso Alpha Centauri. Si diffondono nello spazio sotto forma di segnali elettromagnetici, che possono essere individuati a grandissima distanza da dispositivi di ricezione grande quanto un radiotelescopio. E così, le veline, magari stanno andando a rallegrare la costellazione Orione.

Che impressione potrebbero fare simili programmi a un’intelligenza aliena? Il fatto che uno dei primi segnali dell’intelligenza terrestre possa uscire dalla bocca di Bart Simpson è una cosa da far riflettere.
Per quanto sia difficile da digerire, i nostri programmi d’intrattenimento sono i primi messaggi che abbiamo spedito nello spazio. E se un giorno dovessimo ricevere trasmissioni da un altro pianeta, saranno ugualmente programmi alieni d’intrattenimento.

Proviamo immaginare:
Il mondo intero lì col fiato sospeso in attesa di vedere le prime immagini extraterrestre sulla BBC. Compare un Carlo Conti superlampadato che presenta l’evento in diretta. Poi, ecco entrare nelle nostre case l’equivalente di Pamela Anderson in un bikini striminzito o di un gruppo tipo Jones Brothers composto di calamari urlanti. Fantascienza? Non direi proprio. Infatti, gli studi satellitari ci informano che le immagini del Super Bowl, diffuse più di ogni altro segnale al mondo, sarebbero il messaggio terrestre più facilmente captabile. Gli studiosi ci dicono che il primo segnale da un mondo alieno, potrebbe essere l’equivalente di una partita di calcio. Da qui possiamo tirare un’interessante lezione:
1. Meglio non valutare un’intera cultura solo in base ai programmi d’intrattenimento.
2. Possiamo imparare molto di una cultura vedendo in che modo la gente si diverte.

Fonte: Riflessioni sull'orlo dell'apocalisse

giovedì 2 ottobre 2008

Na Russia, o assédio moral no trabalho è quase obrigatório.


Leggi in italiano: Molestia sul lavoro, in Russia é di obbligo

Na Russia, um juiz absolveu um manager que tentou assédio moral no trabalho, sustentando a tese de que “seduzir” no ambiente de trabalho é útil para “garantir a sobrevivência da raça humana: se não existissem esses “avances sexuais” não existiriam crianças”.
Só podia ser na Russia, o país de Vladimir Putin que, diante da acusação ao presidente israeliano Moshe Katzav por ter violentado dez mulheres do seu staff, responde, sem perceber que tinha um microfone ligado em uma das salas do Kremlim, durante um encontro com o premier israeliano Ehud Olmert: “Aquele, sim, que é um verdadeiro homem! Violentar dez mulheres... Na Russia todos lhe invejam!”
Em um paìs onde as estatísticas comprovam que 100% das funcionarias são assediadas no trabalho, 7% violentada, è natural que 80% das mulheres estejam resignadas, aceitando a idéia de que sem levantar a saia para o chefe, não tem carreira certa. Somente 2 mulheres, nos últimos 15 anos, conseguiram ganhar uma causa por assedio moral no trabalho.
Uma funcionaria de 22 anos, em São Pietroburgo, apresentou causa contra o seu chefe, acusando-o de ter a fechado fora do seu escritorio porque se negava de haver relações sexuais com ele, ficou estupefata com a decisão do juiz: “Não conseguia acreditar no que ouvia” – afirmou a moça – "Fiquei de boca aberta em notar que o juiz procurava passar por “uma coisa útil”, aquilo que pra uma mulher é humilhante e difícil de aceitar. Quando no início, meu chefe exigiu que as funcionárias exprimissem com os olhos o desejo de ser jogada sobre a escrivania, ao menor aceno dele, pensei que não passasse de uma metáfora”- concluiu a moça.
"Se não existissem esses assédios sexuais, não existiriam tão pouco crianças” – citava o juiz, aludindo, ao problema da queda da natalidade, que se continuar nesse ritmo, na metade do próximo século, a população russa se reduzirà de 30%. Por esse fato, jà foi declarado o dia da geração, ou seja, todo mundo à casa para fazer sexo, pra levantar a taxa de natalidade! É mole!
É... vida difícil mesmo para as pobres mulheres trabalhadoras!

Se por um lado os chefes do sexo masculino querem fazer o Casanova com elas, haver um chefe do mesmo sexo pode se revelar um verdadeiro pesadelo. Às vezes, os anos de frustrações que algumas mulheres tiveram que passar, antes de assumir um cargo de chefia, pode ter gerado verdadeiras “viperas” , mais venenosas que os chefões do sexo oposto. Se você ainda tiver a má sorte de ter uma chefe que não se acha bonita e não é bem resolvida, aí é que a coisa pega. Passada a fase do ciúme, inveja e rivalidade, o veneno vai-se inserindo no campo minado do dificil equilibrio entre a funcionária e sua “boss” e vai-se detonando uma bomba atrás da outra. Talvez por terem entrado mais tarde no mercado de trabalho, por serem mais perversas no julgamento de seus pares, chefes mulheres têm uma competitividade predatória. Quem não tem todos os parafusos no lugar e bem apertados, pode parar no divã de um analista.
A confirmação chega de um recente estudo canadese: “o sexo do chefe influencia a nossa vida, não só no trabalho". Segundo uma pesquisa da Universidade de Toronto, publicada no Journal of Health and Social Behavior, o sexo das pessoas que gerenciam o trabalho repercute na saúde física e mental dos empregados. No âmbito da pesquisa, foram examinados, em cada empregado, o stress psicológico, os sintomas físicos, o tipo de ocupação e a geral condição no trabalho, como o nível de satisfação por trás da escrivania, como se relaciona com a autoridade, as pressões recebidas e a qualidade das realizações interpessoais. Os trabalhadores foram, depois, divididos em grupos gerenciados por dois supervisores do sexo oposto e um outro variante, podendo ser do mesmo sexo ou não . A descoberta foi, talvez, muito indigesta pra muitas mulheres: as trabalhadoras sentem desconforto com um chefe do mesmo sexo, não somente no ambiente de trabalho porque a longo prazo, poderà pagar as consequências também no plano da saúde psicofísica. Se, ao contrário, a dar-lhes ordem é um homem, ou um casal de manager, as coisas fluem com muito mais serenidade.