giovedì 7 ottobre 2010

Um microorganismo que destroi os Resíduos Nucleares




Havia um microorganismo que já existia na altura em que essa mensagem foi dada (1993), um projeto que a ciência conhecia, mas que não estava sendo reconhecido (ou foi bloqueado ou sequestrado). Esses organismos podem, de fato, comer detritos nucleares. (Veja abaixo relaportagens cientìficas)

Por que os governos não querem desenvolver um projeto tão importante como este? Para se refletir

Kryon

"Há muitas formas de neutralizar esses resíduos, mas a única que, atualmente, está ao alcance da vossa tecnologia é bastante simples e pode ser utilizada.
Se voltem para a biologia da Terra! Pesquisem os microorganismos que já conhecem e que são capazes de consumir essas substâncias ativas, tornando-as inofensivas. Utilizem o conhecimento científico para os cultivarem, para aumentarem o seu número e a sua eficiência, a fim de devorarem esses resíduos.

Talvez se perguntem porque isto ainda não está implementado, se estes organismos já foram descobertos? Perguntem aos seus governantes. Exijam que eles completem essa investigação e que se dê andamento ao processo. Considerem os obstàculos políticos  para entenderem por qual motivo não foram plenamente informados acerca disto ou porque é que este projeto não foi devidamente financiado.

Um organismo deste tipo é muito pequeno, fácil de transportar e de crescer, e ser alimentado tanto por uma arma como por resíduos.
Já è hora dos líderes abandonarem o medo das tecnologias capazes de alterar o equilíbrio do armamento.
É uma ironia da Ciência que a utilização das novas descobertas, visando a paz ou a guerra, dependam com frequência do vosso próprio grau de iluminação. Neste preciso momento, estão lidando com uma das mais extraordinárias ferramentas para as questões ambientais, jamais desenvolvidas... onde se inclui aquela que acabei de referir para acabar com os resíduos nucleares.

Da mesma forma, também já estão preparados para receber uma grande quantidade de tecnologia que servirá para prolongar o vosso período de vida, aumentar o controlo sobre as doenças e a saúde em geral. Não permitam que o medo de uns poucos impeça o bem de muitos.” (Kryon)

Medo de uns e ganância de outros, ndr)

Abaixo, surge um artigo da Science News, vol. 154, pag. 374:

I)Um microorganismo que come detritos nucleares, um que já era conhecido desde 1950 (!) e que foi redescoberto em 1988 (!) e só agora estava sendo reconhecido pelo que podia fazer. A fotografia que eles mostram, tem um cartaz que diz Hanford Nuclear Reservation.(!...) “
“Procurem microorganismos que vocês já conhecem, que possam devorar estas substâncias ativas (resíduos nucleares) e torná-los inócuos. Desenvolvam o assunto usando a vossa Ciência, no sentido de aumentar a sua quantidade e eficiência e permitam-lhes comer os vossos desperdícios. (KRYON, 1994 – Livro”

II) Science Science News – Vol 154 – 12 de Dezembro de 1998 - Conheçam o SUPER-BICHO, Por John Travis

Uma Bactéria resistente à radiação que pode limpar os piores desperdícios da nação.
O organismo é conhecido como Deinococcus radiodurans. Este nome significa “estranho morango que suporta a radiação
. Isto é novo? NÃO. Mas eis uma citação do artigo: Eu tinha dificuldades em acreditar que pudesse existir algo assim – diz John R. Battista da Louisiana, da Universidade Estatal de Baton Rouge. Os cientistas estão impressionados – recentemente impressionados.

Eis mais informações contidas no artigo:

Este organismo não se afasta da radioatividade, ele tem a capacidade de reparar o dano genético!  Esta bactéria pode armazenar o seu código genético até dez camadas de profundidade. Tal como as filas de dentes dos tubarões, quando a camada superior é destruída ou danificada pela radiação, ela simplesmente faz avançar a camada seguinte para que ocupe o seu lugar. Foi manipulada e investigada por Michael Daly, em Kenneth Minton, e os seus associados de Universidades em Maryland e Minnesota. Eles estão a modificar o «bicho», tentando torná-lo ainda mais poderoso.”

Outra parte interessante deste artigo trata do fato de que, se houve alguma vez um microorganismo que pudesse suportar uma viagem espacial natural, e ser levado de lugar em lugar através de cometas ou asteróides –deve ter sido este. Ele é muito forte, um verdadeiro sobrevivente.

A linha inferior deste artigo da Ciência conservadora diz: Usar micróbios como tripulação de limpeza é uma estratégia conhecida como bio-remédio. Um estudo recente, no qual o Deinococcus radiodurans recebeu engenharia genética para degradar uma toxina orgânica comum nos locais de detritos, oferece resultados encorajadores.

III) Nature Biotechnology, de Outubro de 1998 (traduzida do francês)

O Deinococcus, versão 98 (após alteração) pode oxidar o Tolueno e comê-lo. Michael Daly e a sua equipa têm esperanças de que em breve esta bactéria possa tragar e oxidar o Tolueno radioactivo e o Tricloro-etileno. O Deinococcus radiodurans poderia então fagocitar produtos perigosos radiotóxicos (tais como o urânio) e consumi-los, antes que eles penetrem e poluam para sempre a terra onde estão depositados como desperdício.


Fonte: Não pense como um humano - Kryon