lunedì 7 novembre 2011

Verdades chocantes! A indústria farmacêutica usa a doença como business

Saia da Ignorância de massa e VIVA MAIS! 

Os potentes da Terra convidados a sentar no banco dos réus?

A indústria farmacêutica e uma impressionante lista de nomes dos persogens mais poderosos da terra, estão sendo acusados pelo Dr. Matthias Rath de genocídio.
São acusados - conforme indicado na intimação apresentada pela Dr. Rath Health Foundation - de, estrategicamente, ter projetado, implementado, realizado e organizado um plano de fraude comercial em escala global que, por sua magnitude econômica, não tem precedentes na história humana.

A indústria farmacêutica está disposto a sacrificar a saúde e a vida dos consumidores, em nome do lucro!
Em uma entrevista em vídeo, na Natural News, Gwen Olsen, ex-representante de produtos farmacêuticos, faz desvanecer o mito de que as empresas farmacêuticas se empenham na cura ou tratamento da doença: na verdade, a indústria farmacêutica se encarrega de regular a doença, controlar os sintomas e manter as pessoas presas em um ciclo mortal de dependência química. Eu não quero que as pessoas pensem que eu seja uma teórica da conspiração, porque na realidade, não existe nenhuma teoria por trás do que eu estou dizendo; é tudo demonstrável ... tudo o que estou dizendo, pode ser demonstrado e é que, a indústria farmacêutica não se interessa em curar as pessoas.
No vídeo, Gwen explica que os remédios - especialmente aqueles psiquiátricos - são destinados a estimular as pessoas a serem clientes fixas da indústria farmacêutica. Afinal, se as empresas farmacêuticas estão empenhados em promover a cura de doenças, agindo de outra forma significaria serem cortadas do mercado. Nesses tempos de mentira universal, dizer a verdade é um ato revolucionário!

Eis aqui uma verdadeira BOMBA chiando!
O médico alemão, Matthias Rath, que sonha com uma nova Nuremberg, trabalhou durante anos com Linus Pauling, o ilustre  cientista duas vezes premio Nobel - um de química e outro da paz - faz batalha no tribunal internacional.
Rath decidiu levar para o banco dos réus, quase todos os poderosos da terra. Do ex-presidente dos EUA George Bush - com toda sua comitiva (Cheney, Rumsfeld, Rice etc.) O primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, mas também todos os CEOs, executivos e conselhos de administração das empresas farmacêuticas multinacionais (Pfizer, Merck, GlaxoSmithKline, Novartis...), petroquímicas (Exxon, BP, Chevron ...) e membros de grupos financeiros que lhes dão suporte (Rockefeller, Rothschild, JP Morgan, a Comissão Trilateral etc.).
Uma lista impressionante de nomes reunidos por trás de uma pesada acusação: genocídio. Para ser mais exato, genocídio e outros crimes contra a humanidade cometidos em conexão com o business farmacêutico da doença e com a guerra no Iraque.
Rath é um conhecido médico no campo de pesquisa "alternativa" e muitas vezes tem criado calorosas discussões. Uma das coisas que sustenta veementemente, é a importância da vitamina C. Seu uso em grandes quantidades têm efeitos poderosos na luta contra muitas doenças,  principalmente na prevenção.
Matthias Rath se pôs à frente de uma fundação cujo objetivo é garantir saúde para todos, até 2020. Os acusados são responsáveis por ter, deliberadamente, provocado a persistência e a propagação de doenças, causando, voluntariamente, o aparecimento de novas doenças, expandiindo o uso de medicamentos que foram patenteados para uma unica doença, ao maior numero de doenças possíveis.

O Colesterol não é o fator que desencadeia ataques cardíacos e derrames.
"Comecei a trabalhar no campo da pesquisa convencional sobre as causas de doenças cardíacas – conta Rath, em uma das várias entrevistas, traduzidas no seu site - naquele tempo pensava-se que o alto nivel de colesterol fosse o principal fator que causa ataques cardíacos e derrame cerebral, devido à influência dos fabricantes de medicamentos para diminuir o colesterol, e a informaçao dos médicos de que níveis elevados de colesterol no sangue danificam as paredes dos vasos até o bloqueio total, causando ataques cardíacos e derrames.
Hoje sabemos que isto era apenas uma operação de marketing e da indústria farmacêutica. Se o colesterol alto deteriorasse as paredes dos vasos sanguíneos, isso ocorreria em todo o sistema circulatório, que se blocaria em todo o corpo e não apenas no coração ou cérebro. Em outras palavras, teriamos infartes no nariz, orelhas, joelhos, cotovelos, dedos, e em todos os órgãos, o que, obviamente, não acontece. Mais tarde, descobri que a cardiopatia é essencialmente desconhecido no mundo animal, enquanto nos seres humanos é uma das principais causas de morte.
A descoberta sucessiva foi um avanço na medicina natural em todo o mundo. Os animais produzem vitamina C em seus corpos, necessária para produzir as moléculas de colágeno que fortalecem o corpo e o sistema de vasos sanguíneos. Quanto maior a quantidade de vitamina C, mais o colágeno está presente, quanto mais estável são as paredes dos vasos sanguíneos, muito menos ataques cardíacos ocorrem. Os animais raramente sofrem ataques cardíacos e que seu corpo produz quantidades suficientes de vitamina C.
Nós, seres humanos, não conseguimos produzir uma molécula sequer dessa vitamina e, geralmente, não assumimos quantidade suficiente de vitaminas, através de alimentos, expondo o sistema vascular a fraquezas e ao desenvolvimento de depósitos. Estes depósitos são desenvolvidos principalmente em áreas onde os vasos sanguíneos estão mais expostas ao estresse mecânico, tais como artérias coronárias. Estas descobertas fundamentais, foram confirmados por dados de pesquisas e estudos clínicos, dissipando quaisquer dúvidas.

Por que os ursos ainda não foram extintos, visto que eles têm elevadissimos níveis de colesterol em seu sangue?
De fato, os ursos, como outros animais que passam algum tempo em hibernação, têm uma média de mais de 400 miligramas de colesterol por decilitro! A esse ponto, os ursos estariam jà fazendo companhia aos dinossauros, exibindo seus ossos em algum museu de ciência natural! Os ataques cardíacos teriam dizimado e extinguido a sua raça! O que não aconteceu. Por quê? Simplesmente porque os animais produzem quantidade suficiente de vitamina C e, apesar de ter colesterol muito alto, não estão sujeitos a ataques cardíacos, que são o resultado primário da deficiência de vitamina e não de ipercolesteremia!" Rath cita em seu livro Eradicating Heart Disease  (A erradicação da cardiopatia, publicado em 1993).

Porque os animais não estão sujeitas a ataques cardiacos ... e os seres humanos sim?
O fato de que os ursos não foram extintos mostra que:
1. Os altos níveis de colesterol no sangue não são a causa primária da aterosclerose, ataques cardíacos e derrames.
2. Alcançar e manter a estabilidade das paredes arteriosas, através da ingestão ideal de vitaminas, é mais importante do que diminuir colesterol e outros fatores de risco na corrente sanguínea.
3. O colesterol, e outros fatores de reparação na corrente sanguínea, só pode se tornar fatores de risco se a parede das artérias estiver enfraquecida por uma deficiência crônica de vitamina.
 A vitamina C serve, por exemplo, para produzir colágeno, que é útil para construir bem as paredes das artérias, e para uma adequada eliminação do colesterol usado pelo corpo. Se a vitamina C está presente em dose adequada, a eliminação ocorre normalmente, ou seja, o colesterol do fígado se transforma em ácidos biliares e é eliminado através da vesícula biliar e do trato intestinal.

Não só colesterol, derrames e infartes. Na lista de doenças deliberadamente difundidas, também estão o câncer e a AIDS.
"A descoberta da cardiopatia é só o começo - continua Dr. Rath – uma vez compreendido que as vitaminas, minerais, alguns aminoácidos e os  elementos-traço são necessários como "combustível" biológico para milhões de células em nosso corpo, tornou-se evidente que, se através da aplicação dessas descobertas podem ser evitadas doença arterial coronariana e ataques do coração, a mesma coisa pode acontecer com muitas outras doenças de hoje. O ascorbato (vitamina C) reduz a taxa de reprodução do vírus. Um estudo publicado na competente  Proceedingsof the National Academy ofScience USA, demonstrou, em 1990, que grandes quantidades de vitamina C tomada diariamente, eram capazes de bloquear mais de 99,9% a taxa de reprodução do vírus HIV! "
"Nos últimos anos - continua Rath - o meu instituto de pesquisa, em colaboração com cientistas e médicos ao redor do mundo, verificou, além de qualquer dúvida, que as referidas doenças são causadas principalmente por deficiências prolongada destes micronutrientes (vitaminas, minerais, etc.). Tomando-se uma quantidade ideal desses micronutrientes por meio de dieta ou na forma de suplementos, pode-se, amplamente, prevenir as seguintes condições: pressão arterial elevada, insuficiência cardíaca, batimentos cardíacos irregulares, problemas circulatórios de natureza do atletismo e muito mais."

O Business do Cancer!
"Outra descoberta importante, é sobre o modo natural para evitar que as células do câncer se espalhe no organismo.
Estas células, independentemente do tipo de câncer e do órgão em que ele começa, se espalha da mesma maneira. Usam as chamadas "tesouras biológicas" (enzimas) que são capazes de cortar as moléculas do tecido (colágeno) do nosso corpo. Quanto mais o tipo de câncer é agressivo, mais enzimas que destroem o colágeno são produzidas. Esta produção excessiva pode ser retardada ou bloqueada internamente, de uma forma natural, utilizando os aminoácidos lisina e prolina, em combinação com a vitamina C e outros micronutrientes. Na Europa e América já existem dezenas de milhares de pacientes com câncer que usam esta forma natural de prevenir e curar a doença. Centenas deles já foram curados. "

A única e inquietante questão que permanece é: por que estas informações não foram imediatamente espalhados por todo o mundo?
"A única razão pela qual essas grandes descobertas médicas não têm sido amplamente discutidas e aplicadas é que essas substâncias (micronutrientes) não são patenteáveis e, portanto, têm margens de lucro baixas. Além disso, o mais importante, todo o tratamento eficaz di uma doença, leva, enfim, à sua erradicação e à eliminação de um mercado de medicamentos equivalente a vários bilhões de dólares "- explica Rath, no documento fornecido aos tribunais holandeses, nos quais expõe e resume aquilo que fornece as provas do que ele chama “desenho criminoso”, perpetuado a nível global, por parte das empresas farmacêuticas multinacionais.

A venda de medicamentos para pacientes com câncer, tem sido particularmente fraudulenta e mal-intencionada.
Sob o pretexto de curar o câncer, usando o termo da cobertura "quimioterapia", substâncias tóxicas são administrados ao paciente, que incluem até derivados de gás mostarda. O fato de que estas toxinas destruem milhões de células saudáveis, é deliberadamente calculado.
Sabendo disso, foram deliberadamente planejadas as seguintes conseqüências: primeiro, o câncer se espalharia como uma epidemia global, fornecendo a base económica para um business multibilionário duradouro sobre esta doença. Segundo, a aplicação sistemática de agentes tóxicos, em forma de quimioterapia, causa a disseminação de novas doenças em pacientes com câncer que recebem essas substâncias tóxicas. Como resultado desta estratégia, o mercado de medicamentos para o tratamento dos efeitos colaterais destes agentes tóxicos perigosos que causam infecções, inflamação, obstrução dos órgãos, hemorragia etc, é ainda maior do mercado de medicamentos da quimioterapia em si.
Portanto, os réus aplicaram seus planos de fraudes organizadas, mesmo prejudicando  centenas de milhões de pacientes com câncer, com um único objetivo: engordar sua própria conta-corrente. 80% dos produtos farmacêuticos, atualmente disponíveis no mercado, não tem prova da sua eficiência."
Matthias Rath está convencido de que, se uma doença é prevenida ou erradicada, simplesmente não representa mais um mercado. Então, é melhor não erradicá-la por nada. Ou, talvez, inventar outras novas, como aconteceu com o caso de pneumonia atípica. A SARS, nada mais é que uma doença viral que, como todos os vírus, pode ser contida e prevenida, através da ingestão adequada de ácido ascórbico (vitamina C) e outras moléculas naturais, mas - explica ele - estas moléculas não são patenteáveis e, portanto, seu uso não é promovido.
"O que está sendo promovido, no entanto, é o medo global de uma qualquer epidemia misteriosa; medo que benefícia exclusivo o cartel, causando uma dependência psicológica da indústria farmacêutica e espalhando um clima em que seja possivel forçar uma série de leis que possa conferir maiores poderes ao governo."
Sobre a mesa dos acusados daquela que Rath Matthias gostaria de ver como uma nova  Nuremberg, não se sentam somente os patrões da "Big Pharma" ("o tribunal militar de 1947 decretou que a segunda guerra mundial não teria sido possível sem o cartel Petroquímico farmacêutico da IG Farben: por isso, junto com os líderes nazistas, foram julgados e condenados por crimes contra a humanidade, alguns de seus líderes ")
"A indústria farmacêutica não se desenvolveu de uma forma natural. Foi criado artificialmente por investidores (aqui, a referência histórica de Rath é o grupo Rockefeller no início de 1900) que para ficar rico com a doença, impediram a distribuição mundial de curas naturais não-patenteáveis."
De que maneira? "Fazendo pressão e comprando o parecer médico no mundo. Fundando faculdades de medicina privadas, como as chamadas universidades Ivy League, desde Harvard a Yale, tendo assumido, desde os anos 60, o controle da OMS e da FAO. Combatendo com a instituição do “Codex Alimentariu" o uso de micronutrientes, com o pretexto de presumíveis efeitos colaterais, absolutamente inexistente."
Daí, a acusação aos maiores grupos financeiros do mundo e, seguindo uma linha que leva diretamente até à Casa Branca e Downing Street, as acusações contra o eixo político Bush-Blair. "Essas informações (sobre o micro-nutrientes e medicamentos naturais), já se espalharam pelo mundo. Isto representa uma tal ameaça para os grupos de investimento multibilionários que estão tentando centrar a sua pegada global sobre a população mundial, com a ajuda de uma task-force legal, através de leis protecionistas e o abandono dos direitos civis."

O alibi para essa estratégia é a "guerra ao terrorismo".
Esta guerra não é uma guerra real. Todos sabem disso. Foi estrategicamente desenvolvida e implementada para criar um estado de medo e intimidação global tal, que  permitiu a implementação de medidas jurídicas relevantes, não só na América do Norte mas em todo o mundo. Para isso, o primeiro a beneficiar da atual crise, da guerra no Iraque e da potencial terceira guerra mundial, é a indústria farmacêutica. "
"O ex-ministro da Guerra, Donald Rumsfeld, foi consultor sênior para várias empresas multinacionais. Ele recebeu muitas honras por seu serviço prestado àquela indústria, antes de ser nomeado na administração Bush. Não nos esqueçamos de que, a indústria químico-farmacêutica estava entre as principais financiadoras, durante as campanhas eleitorais. Sem dúvida, Rumsfeld também sabia que, se a verdade sobre o business da doença viesse à tona, todos eles seriam indicados como responsáveis pela morte de centenas de milhões de pessoas. Este é o pano de fundo da guerra contra o terrorismo. É por isso que eles tentam conquistar todo o planeta. "

Precisamos impedi-los! – Grita Rath que, além da "denúncia impossivel", apresentada à Haia (mas destinada, porém, a fazer barulho) continua a mostrar-se muito otimista.
A indústria farmacêutica é uma indústria para o investimento. Por sua própria natureza não pode e não quer produzir medicamentos que possam erradicar a prevenção de doenças, porque isso eliminaria a doença que é o mercado para o uso contínuo desses medicamentos. Isto é difícil de compreender e ainda mais difícil de aceitar. Mas é a verdade e todos devem saber. Conseqüentemente, 80% dos produtos farmacêuticos agora no mercado, não tem eficiência comprovada, o que faz é apenas camuflar os sintomas. Como conseqüência direta disso, as doenças mais comuns da atualidade, como doenças cardíacas, câncer, AIDS e muitas outras, não estão sendo contidas, mas continuam a se espalhar apesar da disponibilidade de alternativas eficazes, mas não  patenteáveis.

AIDS - A Grande Farsa!
São muitos médicos, cientistas, pesquisadores ilustres, até mesmo alguns Prêmio Nobel, que afirmam que a teoria oficial da AIDS, pela qual seria o retrovírus HIV causador da Aids, é falsa e inconsistente, não verificada nem testada em laboratório, mas funcional para os lucros das multibilionárias casas farmacêuticas e a política de controle e discriminação de inteiros grupos sociais, especialmente os viciados em drogas e homossexuais.
Muitos deles pertencem ao grupo de cooperação internacional, denominado REGIMED - Research Group for Investigative Medicine and journalism, que se ocupa de questões éticas ligadas à pesquisa médica e à periculosidade de certas aplicações práticas, fundado em 1996 pelos Drs. Heinrich Kremer e Stefan Lanka.
Um grupo de cientistas australianos, liderado pela Dra. Eleni Papadopulos-Eleopulos, depois de liderar durante anos, experiências e estudos de laboratório, chegou à conclusão de que não se pode provar que o HIV exista, só podemos supor; mas o que é realmente impossível afirmar, é que este seja um vírus (ou um retrovírus).

A existência do HIV é uma mera suposição de laboratório. Nunca foi comprovada, e sua existência não é demonstrável, nunca foi produzida uma fotografia de uma partícula de HIV, mas, principalmente, nunca foi publicada as experiências de laboratório que provassem sua existência. Portanto, não há nenhuma evidências de que o HIV exista, o presumivel portador da síndrome da imunodeficiência adquirida. O prof. Peter Duesberg afirma que seja razoável supor que este vírus exista, mas, e esta é a coisa mais importante, não poderia em nenhuma circunstância atacar o sistema imunológico humano, uma vez que seria destruído em um curto espaço de tempo, por isso mesmo se existisse , seria substancialmente inofensivo.
O HIV é apenas um latente e retrovírus perfeitamente inofensivo, do qual muitos, mas não todos, os pacientes com AIDS, podem ser portadores. Dizer que o HIV é o causador da AIDS significa colocar de lado tudo o que sabemos sobre os retrovírus ... a teoria HIV é inconsistente, absurda e paradoxal. ... A AIDS não é nova nem original, mas foi inventada como uma palavra guarda-chuva para cobrir um complexo de doenças, algumas das quais já haviam sido descritas pela medicina em 1539. ... A AIDS não é uma doença, não é uma epidemia, e não é uma infecção: é a morte por meio dos remédios. Afirma Peter Duesberg.

Em qualquer caso, as estatísticas falam por si: cerca de 50% dos HIV-positivos não ficam doentes de AIDS, todavia, há casos de AIDS que dão todos os testes negativos para a AIDS, e isso sempre existiu, desde o início da "uso de testes. Por exemplo, em novembro de 1984, Montagner encontrava teste negativo, em 32% dos pacientes com AIDS.
Na África, metade/um terço dos casos diagnosticados como AIDS, tinha um teste negativo. Duesberg contou muitos, em todo o mundo, descritos na literatura científica até 1993.
Farsa: O Sol não causa câncer, mas o filtro solar, sim! - Assista isso: http://youtu.be/Ttidlu45aVw 

Para outros detalhes, consulte o site do Dr. Matthias Rath: http://www4.dr-rath-foundation.org/
Texto da denúncia e apoio:  
Fonte: http://digilander.libero.it/napoleta/aids.html
altraconsapevolezza.it

Nessun commento: