lunedì 12 settembre 2011

Homens, não casem com mulheres de carreira



Um  advertência para os futuros casais:

Homens, não casem com mulheres de carreira  VERSUS Mulheres, não casem com homens preguiçosos

A Guerra das Rosas se deu através da Revista Forbes. Um ataque e contra-ataque entre os jornalistas Michael Noer e Elizabeth Corcoran

Advertência do Macho – Michael Noer:

Se "ela" é uma manager, trai mais, é muito mais propensa ao divórcio e não gosta de fazer filhos. Demonstra o cruzamento de dados de diferentes  pesquisas
Se até mesmo Forbes confirmou, em suas análises muito sérias na seção "Carreiras", então será o caso, que os homens pensem duas vezes nisso: aos homens  não convém  casar com uma mulher dedicada à carreira, ou uma mulher que tem um alto nível de escolaridade (diploma universitário ou similares), trabalha fora de casa mais de 35 horas por semana, ganhando mais de 30 mil dólares por ano. E as razões são mais do que uma, até nove, se quiserem, de acordo com o cruzamento de vários estudos sociológicos, feitos pelas universidades mais importantes dos EUA em ciências sociais, nos últimos anos.

Os nove PORQUÊS

Primeiro: de qualquer maneira, será muito difícil se casar com uma mulher de carreira. Salário alto, tempo ocupado, alta qualidade de vida, por qual motivo deveria se casar, uma mulher assim?

Segundo: se por acaso você conseguir arrastá-la  ao altar, o divórcio já estará te esperando na esquina; elas se divorciam muito facilmente. As pesquisas sustentam que uma mulher que trabalha longas horas com remuneração, está mais inclinada a se separar de marido, mas não vice-versa. Um homem em carreira, não se desfaz facilmente do seu casamento.  Mas a febre da carereira, constrange a mulher a manter o correto career improvement path, (caminho de melhoria da carreira) com constantes sessões de sedução na trabalho, com notáveis despreendimento das próprias risorsas humanas.

Terceiro: a mulher de carreira trai com mais freqüência. Isto acontece especialmente se o nível educacional da mulher é maior do que a de seu marido, o que não acontece com o homem; se ele tem um nível de estudo mais elevado, a mulher  tende a não traí-lo.

Quarto: mulheres managers, têm menos filhos.

Quinto, se elas os tiverem, não vivem com serenidade o seu papel de mãe, trazendo novos sofrimentos e desequilibrio dentro do relacionamento do casal.

Sexto: a casa de uma mulher de carreira há um percentual maior de sujeira. Essa afirmação, è, também, o resultado de um estudo científico: a mulher que ganha acima dos US $30.000, se dedica cerca 2 horas  menos ao trabalho de casa, durante a semana.

Sétimo: o marido será infeliz por haver ao lado uma mulher que trabalha mais do que ele.

Oitavo: e até mesmo a esposa se sentirá infeliz, se trabalha mais do que o marido. Todas as pesquisas chegaram à conclusão de que, mesmo as mulheres mais emancipadas, precisam de um homem ao lado, que "traz o dinheiro para casa."

Nono: o marido da mulher de carreira fica doente com mais facilidade. Também esta declaração é cientificamente ligada ao número de horas trabalhadas, e à sua intensidade: uma esposa desatenciosa e  pouco presente, não dará atenção suficiente ao seu companheiro, que irá procurar atraí-la, através da doença. Um pedido claro para obter ajuda.

QUESTÃO DE CLASSE - Além dos nove porquês, existem muitas outras motivações sociais, até mesmo as mais banais: simplesmente, alguns estudos afirmam que as mulheres filhas de pais divorciados (assim como os homens, neste caso) tendem a repetir a experiência. Outros fatores importantes são, também, a idade, nacionalidade, nível econômico da família a que pertence e da pessoa mesma, classe social, religião professada e até mesmo a história recente das relações de cada um, contribui para destituir o casamento onde a mulher é quem usa a gravata: de fato, ao longo do tempo, o equilíbrio dos casais se estabelecia sobre o papel masculino, empenhado em um trabalho que trazia dinheiro para casa, e um papel feminino, mas dedicado ao trabalho não remunerado como criar os filhos e governar a casa. Papéis diferentes, mas desta forma, cada tarefa era coberta, a casa administrada, e as contas pagas. O impasse surge quando ambas as figuras quebram este padrão, com dois empregos e, pior ainda, quando o trabalho da mulher supera por competência, o nível social do marido. Como afirmou o Prêmio Nobel de Economia Gary S. Becker, um estudioso do valor do capital humano, quando no casal se afina a diferença entre as especializações profissionais, o valor do matrimónio diminue, tanto para o marido como para a esposa. Isto acontece porque, desta forma, o trabalho total que sustenta uma família não é totalmente cumprido (a casa, por exemplo, fica para trás, ou é entregue a mãos estranhas para a limpeza), diminuindo a satisfação mútua de estarem juntos.

REPLICA:

Advertencia da Fêmea - Elizabeth Corcoran:

Mulheres, não casem com homens preguiçosos.

Mulheres, um conselho. Antes de se casar, faça ao seu noivo a seguinte pergunta: Quando foi a última vez que você aprendeu algo de útil, seja em casa ou no trabalho?
Se a última habilidade que seu noivo aprendeu foi como amarrar seus sapatos quando estava na segunda série colegial, pode despachá-lo, imediatamente. Se ele consegue colher novas idéias mais rapidamente do que o seu cachorro, você tá com o noivo certo.

Michael Noer escreveu na Forbs que, segundo alguns especialistas citados por ele, casar-se com uma "mulher de carreira" seria como ter um destino pior do que se defrontar com um puma faminto.
OK, pode me chamar então de puma. Trabalho desde o dia em que me formei na faculdade, 20 e tantos anos atrás. Eu tenho dois filhos em idade escolar. Trabalho, duramente, mais de 35 horas por semana. Felizmente, ganho mais de US $ 30.000. E, por tudo isso, segundo Michael, deveria fazer-me uma esposa infeliz.

Apesar dessas estatísticas perigosas e tendenciosas, meu marido e eu estamos prestes a celebrar o nosso 18° aniversário de casamento. Você poderá nos ver nos aconchegando em um concerto, num piano-bar, ou cinema, aproveitando cada ocasião. Mesmo sendo uma mulher de carreira, não acho que eu seja um tipo incomum de mulher, sendo assim, acho que eu seja um bom motivo para testar as afirmações sombrias de Michael. Os especialistas citados em sua história fantasmagórica, acham que as mulheres profissionais são mais propensas a se divorciarem, a trairem e de serem mal-humoradas sobre o fato de terem filhos  ou não tê-los. Mas creio que esses distintos senhores, antes de se precipitarem em culpar as mulheres managers, deveriam considerar uma outra variável fundamental, esquecida propositalmente por eles: Que coisa o marido estaria fazendo, enquanto a mulher está exercendo sua digna profissão?

Tomemos, por exemplo, a afirmação de que mulheres profissionais são mais propensas a se divorciarem: não seria mais interessante relevar o fato de que elas possuem mais oportunidades, sim, de se encontrarem com homens no âmbito de trabalho que serão "mais atraentes" do que o velhote maridinho preguiçoso que ela deixou completamente aprofundado no sofá de casa? Uma boa consideração, não acham?

As mulheres enfrentaram de cara este tipo de competição, por anos. Digamos que você se casou com seu tipo galã da faculdade. Dez anos depois, ele está trabalhando com algumas garotas de boa aparência - ninfetas que acabaram de sair do colégio, ou os tipos mais sofisticados que passaram dois anos a construir casas na África antes de irem para Stanford Business School. O que os gentis senhores especialistas acham que as mulheres faziam?
A: Ficavam em casa, lamentando-se e comendo chocolate. B: dedicava-se em se melhorarem lendo livros interessantes e continuando o percurso do desenvolvimento da sua  personalidade, a mesma que um dia ele se apaixonou.

Nota para os caras: Se você tem uma noiva/mulher manager, é bom que comece a malhar, tente acrescentar alguma coisa de novo na sua cultura - música de tendência, leia um bom livro ou veja um filme. Mantenha-se conectado com o resto do mundo, nutra a sua personalidade de bons motivos. Você vai vencer, ter mais sucesso… - e assim será com o seu casamento.
Haverá, é claro, sempre o mesmo dilema: quem faz o trabalho de casa? Mas se ambos os cônjuges estão trabalhando, adivinhem a resposta? Eles têm renda suficiente para contratar alguém para lavar, cozinhar, passar pano no chão, etc. Qual o problema?

Em uma copia em carreira, segundo Michael, o que precisa de menos  especialização é o casamento, por isso, supostamente, a união torna-se menos útil para ambas as partes. Se oriente, Michael! Qualquer casamento de longa duração está repleto de cuidadosos  desenvolvimentos - e encantadoras compensações - nas áreas de especialização.

A essência de um bom casamento, parece-me, é que ambos tenham de aprender a mudar e continuar a adaptar-se. As crianças trazem toneladas de mudanças. As mães encontram por primeiro, durante os nove meses de gravidez, com a mudança de dimensões corporais. Mas os pais têm de aprender a adaptar-se, também, aprendendo a ajudar a cuidar dos filhos, se envolvendo com os aspectos novos de um agregado familiar, para se adaptar à mudança, como as mães.


Então, rapazes, se vocês estiverem a fim de uma vida emocionante, vá em frente e casem com uma garota manager.Vocês só vão ganhar!

1 commento:

José Alencastro ha detto...

Já estou seguindo seu blog pelo Google friend conect, tem um belo conteúdo, convido a conhecer meu blog: http://profeciasoapiceem2036.blogspot.com/ e também seguir-me pelo Google friend. Abraço