lunedì 29 novembre 2010

O preservativo anti-estupro com “dentadura”!


Se chama Rape-axe, a camisinha que morde, e foi inventado pela Dra. Sonnet Ehlers, da África do Sul.
Uma medida necessária, de acordo com o Conselho de Investigação Médica do país, pois, se sabe, no Sul africano, 28 por cento dos homens já admitiram ter cometido violência sexual contra uma mulher ou uma menina.

A idéia partiu de uma frase confidenciada à médica Sonnet, por uma vítima da violência: «Quem me dera ter dentes nas partes íntimas».
A partir daí, Sonnet começou a pensar e desenvolver uma camisinha que, para além da camada convencional de látex, pode, também rir, pois possui farpas afiadas como lâminas de barbear, que, literalmente, captura o pênis do atacante, causando-lhe dores atrozes, de tal maneira que se torna impossível retirar o pênis da camisinha, já que as farpas ficam tão crivadas que o dispositivo só pode ser retirado com ajuda médica, dando tempo suficiente para sua vítima fugir. Até a camisinha ser retirada, através de cirurgia, o homem não pode andar ou urinar, o que facilita a identificação por parte das autoridades.

O Rape-axe é um dispositivo inofensivo para a mulher, feito em látex rígido que se introduz na vagina como um tampão aplicador que serve tanto para inserir como para extrair, posicionado como um diafragma.
A idéia do preservativo com “dentes" (de alguma forma ligada ao atavismo freudiana do temor di uma vagina dentata que, como uma serpente, respira astúcia por todos os póros), quarenta anos depois daquela fatídica frase da jovem estrupada, tomou forma, através da pesquisa científica que hoje promete seguraça para todas as mulheres, a um preço simbólico de US$2.

O Rape-axe pode ser usado a qualquer momento em que a mulher se sinta insegura, e é impossível que um homem perceba a sua presença antes de tentar a violência, podendo permanecer no interior da vagina por até 24 horas sem problemas. Não causa infecção desde que seja usada uma vez e depois jogado fora, como um preservativo normal. E, além do mais, protege contra o HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis.
A solução, evidentemente parcial e não definitiva, desenvolvida e proposta pela Dra Sonnet Ehlers, contra a propagação de um problema social que afeta mulheres em todo o mundo, especialmente aquelas do Sul-Africano, (país onde se comete o maior número de estupros no mundo) é, talvez, considerada até um pouco Espartana por alguns, mas, para muitos, parece uma maneira muito prática e viável, diante da incapacidade dos homens em governar seus brutos instintos animais. De acordo com um estudo realizado no ano passado pela Human Rights Watch, ficou provado que ocorre um estupro a cada 24 segundos, aproximadamente, e que 28%, dos homens entrevistados admitiu ter cometido um estuprado pelo menos uma vez na vida, e 20% admitiu de haver cometido a violência em 2009.

Na realidade, apesar de Ehlers ter explicado que o preservativo anti-estupro teve o apoio e a aprovação de médicos, ginecologistas, psicólogos (não causa nenhum problema de circulaçao para o homem, não é letal ou fatal) algumas pessoas - incluindo a Human Rights Watch - questionam o uso, referindo-se à barbárie medieval, com os métodos antigos de tortura e à idéia de que não se pode combater a violência com mais violência. No entanto (e com razão) Dra. Sonnet Ehlers afirma: sim, Rape-Axe pode parecer uma engenhoca medieval, mas o estupro também é um ação medieval que há centenas de anos vem destruindo as vidas de muitas mulheres. Alguma coisa deve ser feita. Graças à existência da camisinha com “dentadura”, muitos homens violentadores irão pensar duas vezes antes de atacar uma mulher.

E, uma coisa é certa, ele não vai se esquecer tão cedo da dor que sentiu e sua ação ficará marcada para sempre no seu pênis, com pequenas cicatrizes das lesões.
E... enquanto ele chora... a vagina “ri”! Que fazer! Bem feito!

Veja como funciona o Rape-Axe:
http://www.youtube.com/watch?v=h9dNG7F2oVw&feature=player_embedded

2 commenti:

medicine.practises ha detto...

Finalmente algo que garante um pouco de segurança para as mulheres!
http://medicinepractises.blogspot.com/

Eliude Santana ha detto...

E' isso, amiga. Mas precisaria uma abertura de consciencia coletiva para que instrumentos desse tipo nao fosse preciso.
Sucessos!